EXAMES E SERVIÇOS

Os equipamentos utilizados para a realização dos exames contam com alta tecnologia e uma equipe de multiprofissionais amplamente qualificados.

Esta estrutura permite que realizemos mais de 1.000 tipos de exames relacionados.

 

Buscar exames

Mnemônico + -
Descrição + -

Utilidade


Cerca de 70% do ácido úrico é eliminado pelos rins. Esta dosagem é útil em pacientes com cálculos urinários para identificação daqueles com excreção urinária de urato aumentada. Álcool causa diminuição do urato urinário. Anti-inflamatórios, diuréticos e Warfarim podem interferir no resultado.


Material


Urina 24 Horas


Instruções


- Não fazer esforço físico durante a coleta.
- O cliente deve manter sua rotina diária.
- Não é necessário aumentar a ingestão de líquidos, exceto sob orientação médica.
- No final da coleta, registar o volume urinário juntamente com o horário inicial e final da coleta.
- Ao receber o material verificar se o volume urinário total corresponde ao volume informado.


Utilidade




Material


Soro


Instruções


- JEJUM NÃO OBRIGATÓRIO.


Material


Soro


Instruções


- Jejum não obrigatório.


Utilidade




Material


Fezes


Instruções


- Jejum não obrigatório.
- Fezes recentes, coletadas em frasco limpo.


Utilidade


O diabetes mellitus tipo 1 é caracterizado pela infiltração
linfocítica das ilhotas pancreáticas e autoanticorpos contra uma
variedade de antígenos das células beta. Anti-GAD são observados em 70
a 80% dos pré-diabéticos tipo 1, incluindo 7 a 8% dos diabéticos com
início na vida adulta.


Material


Soro


Instruções


- Jejum desejável de 4 horas.


Utilidade


Histonas são proteínas associadas ao DNA genômico. Anticorpos anti-histonas ocorrem no lupus induzido por drogas em 96% dos pacientes, juntamente com anticorpos para o ss-DNA. No LES pode ser encontrado em 50% a 70% dos pacientes e na AR em 20% dos casos. Procainamida, hidralazina, quinidina e anticonvulsivantes, entre outras, são drogas relacionados com o lúpus induzido por drogas.


Material


Soro


Instruções


- Jejum obrigatório de 8 horas.
- Intervalo entre mamadas para lactentes.


Utilidade


Essencialmente, todos os pacientes tratados com insulina de porco ou boi desenvolvem anticorpos anti-insulina. Entretanto, resistência insulinica clinicamente aparente mediada por tais anticorpos raramente e observada (0,01%) nos pacientes tratados. A maioria dos anticorpos anti-insulina são IgG, mas poucos são IgE. A presença de anticorpos anti-insulina pode ocasionar alteração nos resultados dos ensaios para insulina.
Pode estar presente em 16 a 69% dos pacientes com diagnostico de diabetes mellitus tipo 1.


Material


Soro


Instruções


- Jejum desejável de 4 horas.


Utilidade




Material


Soro


Instruções


- Jejum não obrigatório.


Utilidade


A peroxidase tireoidiano (TPO), uma enzima que cataliza as etapas de
iodinação e acoplamento da biosíntese do hormônio tireoidiano, e
agora conhecida como o principal antígeno microssomal. O principal uso
deste exame é a confirmação do diagnóstico de tireoidite autoimune. O
anticorpo anti-TPO tem sido utilizado no lugar da determinação do
anticorpo antimicrossomal. Anticorpos anti-TPO podem ser detectados em
pessoas sem doença tireoidiana significativa. Eles não definem o
status funcional tireoidiano do paciente. Substitui com vantagens os
anticorpos antimicrossomais.


Material


Soro


Instruções


- Jejum não obrigatório.


Utilidade


Os anticorpos anti nucleossomo são marcadores diagnósticos de lupus
eritematoso sistêmico, com uma sensibilidade de 60% a 70% e
especificidade em torno de 95% a 100%. Aparecem precocemente no curso
da doença e seus níveis séricos guardam correlação com o grau de
atividade da doença, especialmente com atividade de nefrite.


Material


Soro


Instruções


Jejum obrigatório de 8 horas.


Utilidade




Material


Soro


Instruções


- Jejum não obrigatório.
- Informar medicamentos em uso (o cliente não deve estar usando GNRH ou medicação imunosupressora).


Utilidade




Material


Soro


Instruções


- Jejum não obrigatório.


Utilidade


Exame útil no diagnóstico de infecção causado pela espiroqueta Borrelia burgdorferi, transmitida pelo carrapato , e leva à doença Lyme. 


Material


Soro


Instruções


Jejum não obrigatório


Utilidade


Exame útil no diagnóstico de infecção causado pela espiroqueta Borrelia burgdorferi, transmitida pelo carrapato , e leva à doença Lyme. 


Material


Soro


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


E o antígeno de superfície (Austrália) do vírus da hepatite B. Torna-se detectável 2 a 8 semanas após inicio da infecção, duas a seis semanas antes das alterações da ALT e duas a cinco semanas antes dos sinais e sintomas. Ocasionalmente, pode ser detectado apenas após 12 semanas. Nos casos agudos e auto-limitados, o HBsAg usualmente desaparece em 1 a 2 meses após inicio dos sintomas. Persistência do HBsAg por vinte semanas apos a infecção primaria prediz persistência de positividade indefinidamente. Em termos práticos, sua positividade está associada com infecciosidade, estando presente nas infecções aguda ou crônica pelo HBV. Um resultado de HBsAg positivo deve sempre ser confirmado e complementado com outros marcadores de infecção. Deve-se considerar, ainda, a detecção de HBsAg positivo transitória após vacinação.


Material


Soro


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


O 5-HIAA é um metabólito da serotonina usado como marcador de tumores
carcinóides (tumores neuroendócrinos que originam-se principalmente
nos tratos respiratórios e gastrointestinais). Alimentos ricos em
serotonina devem ser evitados antes e durante a coleta. Medicamentos
usados podem interferir no resultado do exame: levodopa, imipramina,
acido dihidrofenilacetico, metildopa, antidepressivo IMAO, morfina,
acetominofen, acido acético, salicilatos, formaldeido, isoniazida,
fenotiazinas, xaropes com glicerilguacolato e naproxifeno.
As concentrações do 5-HIAA podem estar normais com tumores carcinóides
não metastáticos e na síndrome carcinóide, particularmente, em
pacientes sem diarréia. Alguns pacientes com síndrome carcinóide
excretam ácidos indólicos não hidroxilados que não são medidos pelo
teste do 5-HIAA. O 5-HIAA encontra-se aumentado nos pacientes com má-
absorção e níveis
aumentados de metabólitos urinários do triptofano (doença celíaca,
sprue tropical, Doença de Whipple, fibrose cística, etc.), e em
pacientes com obstrução crônica do trato intestinal além de alguns
pacientes com tumores de ilhota não carcinóides. Seus níveis exibem
uma correlação ruim com a gravidade da doença. Níveis aumentados são
observados na gravidez, ovulação e estresse.


Material


Urina


Instruções


- O paciente deverá permanecer 24 horas antes e durante a
coleta da amostra sem ingerir os alimentos abaixo
relacionados, pois interferem no resultado: abacate, abacaxi, ameixa,
banana, berinjela, pickles, nozes, tomate.
- Alguns medicamentos podem interferir, e o médico deve estar ciente
do uso e somente ele pode suspendê-lo: Acetaminofen,
Ácido Acético, ácido Dehidroxifenilacetico, Ácido Gentisico, Ácido
Homogentisico, Fenotiazinas, Formaldeído, Imipramina, Isoniazida,
Inibidores da Mao, L-Dopa, (Levodopa)
Metil Dopa, Morfina, Naproxifeno, Salicilatos, Xaropes para tosse com
gliceril guacolato.
- Não fazer esforço físico durante a coleta.
- O cliente deverá manter sua rotina diária.
- Não é necessário aumentar a ingestão de líquidos, exceto sob
orientação médica.


Utilidade


Teste utilizado no diagnóstico da síndrome do anticorpo antifosfolípide (AFL). Esta pode ser primária (na ausência de outros autoanticorpos e manifestações clínicas dos LES) ou associada ao LES (15% dos casos).
Anticorpos antifosfolípides levam à manifestações clínicas vasoclusivas, que incluem trombose venosa, oclusão arterial, livedo reticular e perda fetal além de manifestações hematológicas: trombocitopenia, anemia hemolítica e neutropenia. O diagnóstico é considerado definido quando duas ou mais manifestações clínicas (vasoclusiva ou hemocitopênicas) são encontradas e pelo menos um dos critérios laboratoriais é encontrado.
Na pesquisa laboratorial para anticorpos anti-fosfolípides é recomendado a realização de ensaios para pesquisa de anticoagulante lúpico e anticorpos anti-cardiolipina, pois podem estar presentes de forma isolada.
Anticorpos anti-cardiolipina IgG estão presentes em níveis moderados a elevados (maior que 40 GPL) e são mais específicos que os IgM para
síndrome do AFL. Entretanto, alguns casos apresentam anticorpos apenas IgM ou, mais raramente, IgA. Podem estar presentes em outras doenças como: artrite reumatóide, doenças infecciosas (sífilis, tuberculose, hanseníase, endocardite infecciosa, infecção pelo HIV, infecções virais agudas) e em indivíduos utilizando clorpromazina.
Nesses casos encontra-se, em geral títulos baixos e do isotipo IgM, não se observando fenômenos trombóticos.
É importante lembrar que testes negativos não afastam completamente a presença de anticorpos antifoslípides. Na vigência de uma trombose aguda, os títulos destes anticorpos podem declinar transitoriamente a níveis normais.


Material


Sangue


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


O ácido trans, trans-mucônico urinário (ATTM) é o biomarcador de exposição adotado pela legislação brasileira para a monitorização da exposição ocupacional ao benzeno. O benzeno é o mais simples dos hidrocarbonetos aromáticos, e é obtido a partir da destilação do carvão mineral e do petróleo, apresentando-se como um líquido incolor, lipossolúvel, com odor aromático. O benzeno pode ser absorvido pelas vias cutânea e pulmonar. A biotransformação do benzeno em ácido trans, trans-mucônico apresenta uma concentração máxima 5,1 hora após o início da exposição. A porcentagem de benzeno absorvido e excretado pela urina na forma de ATTM é de 2,00 - 3,90%. Existem alguns fatores capazes de alterar a excreção urinária do ATTM, que constituem, portanto, desvantagens no uso do metabólito na avaliação da exposição benzênica. Assim, a co- exposição a outros solventes como, por exemplo, o tolueno, a dieta (o ATTM é formado na biotransformação do aditivo alimentar sorbital, que pode ser utilizado como umectante em alimentos que necessitam conservar a umidade e edulcorante - bolos, pães, balas, chocolates, sucos, geléias, chicletes e outros confeitos dietéticos). O tabaco pode aumentar na urina até oito vezes a quantidade de ATTM excretado quando comparada com a de indivíduos não-fumantes. Principais fontes de exposição ocupacional ao
benzeno: siderurgias, indústrias petroquímicas, indústrias químicas, laboratórios de análise química, postos de combustíveis.


Material


Urina


Instruções


- Urina ao final da jornada de trabalho.
- Próximo aos dias da coleta, manter dieta isenta de alimentos que contenham Ácido Sórbico (Sorbato) em sua composição.
- Coletar a partir do 3º dia seguido de exposição ao Benzeno.


Utilidade


A determinação do ácido cítrico na urina é utilizada na exploração do metabolismo do fósforo e cálcio, das tubulopatias e dos ácidos do ciclo de krebs. O citrato tem importância marcante na calculose urinária recidivante. A hipocitratúria pode ocorrer de forma isolada ou associada a hipercalciúria, hiperuricosúria, hiperoxalúria e distúrbios instestinais. O citrato administrado via oral leva a um aumento na reabsorção tubular renal de cálcio, promovendo hipocalciúria. A elevação do pH urinário, que acompanha a administração de citrato, aumenta a solubilização do ácido úrico. A suplementação de citrato reduz a taxa de formação de novos cálculos e o crescimento dos cálculos já existentes.


Material


Urina 24 horas


Instruções


- Não fazer esforço físico durante a coleta.
- O cliente deve manter sua rotina diária.
- Não é necessário aumentar a ingestão de líquidos, exceto sob orientação médica.
- Informar hora de início e término da coleta, e volume total do material.


Utilidade


A acetona é usada principalmente como solvente. Apresenta-se como líquido volátil e de odor característico. A absorção ocorre pelas vias inalatória, oral e cutânea.
A acetona é rapidamente absorvida pelo trato respiratório, calculando- se em torno de 70% a absorção de determinada concentração inalada. O seu principal efeito tóxico ocorre no sistema nervoso central. A sua inalação determina irritação e congestão brônquica, bradicardia e hipotermia.
Na ingestão observa-se vômitos e diarréia. Pode ser observado ainda, ataxia, irritação cutânea, depressão, intensa acidose, icterícia e tosse.
É eliminada pelos pulmões e rins e na maior parte inalterada.
Pode ocorrer elevação da acetona no sangue dos pacientes em uso de propanolol, ácido ascórbico, levodopa, ácido valpróico, fenilcetonas, pyridium e n-acetilcisteína, entre outros. Os diabéticos descompensados podem excretar altas quantidades de acetona na urina e mascarar os resultados.


Material


Urina


Instruções


- Lavar as mãos e genitália antes da coleta.
- Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o 1º jato de urina,
coletar o jato médio em frasco próprio.
- Colher o jato médio da urina com retenção de 4 horas entre as micções.
- Colher urina de final de jornada de trabalho. Recomenda-se evitar a primeira jornada de
trabalho da semana.


Utilidade


O ácido fólico atua na maturação das hemácias e participa do processo de síntese das purinas e pirimidinas, componentes dos ácidos nucléicos. A deficiência do ácido fólico e quase sempre consequência de ingestão insuficiente e esta presente em cerca de 1/3 (um terço) de todas as mulheres grávidas, na maioria dos alcoólatras crônicos, nas pessoas que cumprem dietas pobres em frutas e vegetais e nas pessoas com distúrbios absortivos do intestino delgado. Pode estar falsamente elevado em casos de hemólise. Sua concentração pode estar reduzida com o uso de contraceptivo oral. Flutuações significantes ocorrem com a dieta e pode resultar num folato sérico normal em um paciente deficiente. Deficiência grave de ferro pode mascarar a deficiência do folato. .


Material


Sangue


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


As dosagens das colinesterases são os parâmetros para controle
biológico da exposição aos organofosforados e carbamatos, onde
encontram-se diminuídas. Existem dois tipos de colinesterases no
sangue: 1) colinesterase verdadeira (acetilcolinesterase ou
colinesterase eritrocitária), encontrada principalmente nas sinapses
do sistema nervoso, pulmões, baço e eritrócitos; 2)
pseudocolinesterase (benzoilcolinesterase ou colinesterase II ou
colinesterase plasmática), encontrada no plasma, intestino e em outros
tecidos. A colineterase eritrocitária é mais usada para avaliar
exposição crônica aos organofosforados. Sua atividade é suprimida de
forma mais lenta e menos intensa que a pseudocolinesterase. Ao
contrário da colinesterase plasmática, a colinesterase eritrocitária
tem aumento rápido de sua atividade após tratamento com Pralidoxime.
Outras condições podem cursar com diminuição da colinesterase
eritrocitária: hemoglobinúria paroxística noturna e anemia
megaloblastica. Condições que cursam com aumento da colinesterase
eritrocitária: estados hemolíticos como talassemia, esferocitose,
hemoglobina SS e anemias hemolíticas adquiridas.


Material


Sangue total + soro


Instruções


Preparo- - - Jejum não obrigatório.


Utilidade


Citrato se liga ao cálcio e inibe a formação de pedra nos rins. Assim, baixas concentrações de citrato pode levar à formação de pedra nos rins. Este é o fator de risco mais importante para a formação de pedra nos rins em crianças.


Material


Soro


Instruções


Jejum obrigatório de 8 horas


Utilidade



Da linha de clorados, o Brasil consome basicamente tricloroetileno,
cloreto de metileno e percloroetileno, em aplicações diversas, da
extração de princípios ativos de antibióticos, intermediário químico,
à lavagem a seco de tecidos, passando pelo desengraxamento de
superfícies metálicas e plásticas.
Em decorrência do uso industrial, tanto o tricloretileno e o
percloretileno encontram-se amplamente distribuídos nos diferentes
compartimentos do meio ambiente, e são detectados em água de chuva,
águas superficiais e subterrâneas e alimentos, possíveis fontes de
exposição para a população geral.
As principais vias de introdução na exposição ocupacional são a
pulmonar e a dérmica. Após sua rápida absorção, esses toxicantes são
distribuídos particularmente para o fígado, rim, sistemas
cardiovascular e nervoso central e tecido adiposo.
Tricloretano, tricloretileno, percloretileno apresentam o ácido
tricloracético (TCA) como produto de biotransformação comum, o qual
pode ser utilizado como indicador biológico de dose interna na
exposição a estes compostos.


Material


Urina


Instruções


Lavar as mãos antes de colher.
- Colher urina após retenção urinária mínima de 4 horas.
- Lavar as mãos, fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o
1º jato de urina e coletar o jato médio.
- Recomenda-se coletar material no início da última jornada de
trabalho da semana.
- Informar se paciente é exposto ocupacionalmente.
- O consumo de álcool pode reduzir a excreção urinária destes produtos devido à inibição da biotransformação.


Utilidade


Teste utilizado no diagnóstico da síndrome do anticorpo antifosfolípide (AFL). Esta pode ser primária (na ausência de outros autoanticorpos e manifestações clínicas dos LES) ou associada ao LES (15% dos casos). Anticorpos antifosfolípides levam a manifestações clínicas vasoclusivas, que incluem trombose venosa, oclusão arterial, livedo reticular e perda fetal , além de manifestações hematológicas: trombocitopenia, anemia hemolítica e neutropenia. O diagnóstico é considerado definido quando duas ou mais manifestações clínicas (vasoclusiva ou hemocitopênicas) são encontradas e pelo menos um dos critérios laboratoriais é encontrado. Na pesquisa laboratorial para anticorpos anti-fosfolípides é recomendado a realização de ensaios para pesquisa de anticoagulante lúpico e anticorpos anti-cardiolipina, pois podem estar presentes de forma isolada. Anticorpos anti-cardiolipina IgG estão presentes em níveis moderados a elevados (maior que 40 GPL) e são mais específicos que os IgM para síndrome do AFL. Entretanto, alguns casos apresentam anticorpos apenas IgM ou, maisraramente, IgA.
Podem estar presentes em outras doenças como: artrite reumatóide, doenças infecciosas (sífilis, tuberculose, hanseníase, endocardite infecciosa, infecção pelo HIV , infecções virais agudas) e em indivíduos utilizando clorpromazina. Nesses casos encontra-se, em geral, títulos baixos e do isotipo IgM, não se observando fenômenos trombóticos. É importante lembrar que testes negativos não afastam completamente a presença de anticorpos antifoslípides. Na vigência de uma trombose aguda, os títulos destes anticorpos podem declinar transitoriamente a níveis normais.


Material


Sangue


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


Elevações desta enzima associadas ao quadro clínico, radiológico e a
biópsia com granulomas não caseosos sugerem sarcoidose. Essa dosagem
possui sensibilidade de 30 a 80% no diagnóstico da sarcoidose. Níveis
baixos podem ser encontrados em pacientes em uso de corticóides e
antihipertensivos inibidores da ECA. Níveis elevados também podem ser
encontrados na doença de Gaucher, diabete melito, hanseníase,
amiloidose, doença hepática alcoólica, cirrose biliar primaria,
mieloma, hipertireoidismo, asbestose, silicose e psoríase.


Material


Soro


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


Útil para o diagnostico de gastrite atrófica e anemia perniciosa.
Absorção da vitamina B12 (cobalamina) depende da produção do fator
intrínseco pelas células parietais gástricas que também secretam o
ácido clorídrico.
Gastrite autoimune leva à diminuição dos produtos das células
parietais e consequente gastrite atrófica e deficiência de B12 (anemia
perniciosa).
Anticorpos anti-células parietais são encontrados em 90% dos pacientes
com anemia perniciosa.
Valores elevados também podem ser encontrados em úlceras gástricas,
cancer gástrico e Síndrome de Sjögren. Cerca de 7% dos adultos
saudáveis têm esses anticorpos detectáveis.


Material


Sangue


Instruções


Jejum obrigatório de 8 horas.


Utilidade


Teste utilizado no diagnóstico da síndrome do anticorpo antifosfolípide (AFL). Esta pode ser primária (na ausência de outros autoanticorpos e manifestações clínicas dos LES) ou associada ao LES (15% dos casos).
Anticorpos antifosfolípides levam a manifestações clínicas vasoclusivas, que incluem trombose venosa, oclusão arterial, livedo reticular e perda fetal , além de manifestações hematológicas: trombocitopenia, anemia hemolítica e neutropenia. O diagnóstico é considerado definido quando duas ou mais manifestações clínicas (vasoclusiva ou hemocitopênicas) são encontradas e pelo menos um dos critérios laboratoriais é encontrado.
Na pesquisa laboratorial para anticorpos anti-fosfolípides é recomendado a realização de ensaios para pesquisa de anticoagulante lúpico e anticorpos anti-cardiolipina, pois podem estar presentes de forma isolada.
Anticorpos anti-cardiolipina IgG estão presentes em níveis moderados a elevados (maior que 40 GPL) e são mais específicos que os IgM para síndrome do AFL. Entretanto, alguns casos apresentam anticorpos apenas IgM ou, mais raramente, IgA. Podem estar presentes em outras doenças como: artrite reumatóide, doenças infecciosas (sífilis, tuberculose, hanseníase, endocardite infecciosa, infecção pelo HIV , infecções virais agudas) e em indivíduos utilizando clorpromazina. Nesses casos encontra-se, em geral, títulos baixos e do isotipo IgM, não se observando fenômenos trombóticos.
É importante lembrar que testes negativos não afastam completamente a presença de anticorpos antifoslípides. Na vigência de uma trombose aguda, os títulos destes anticorpos podem declinar transitoriamente a níveis normais.


Material


Sangue


Instruções


Jejum não obrigatório.


Utilidade


Mede as quantidades de hormônio adrenocorticotrófico no sangue. É usado para verificar se problemas com a glândula pituitária e glândulas suprarrenais.


Material


Sangue


Instruções


Jejum obrigatório de 8 horas ou conforme orientação médica.


Utilidade



A norma brasileira adota o Ala-U como indicador biológico para a vigilância de trabalhadores expostos ao chumbo e recomenda iniciar as avaliações biológicas no mínimo 1 mês após o início da exposição. A ação nociva do chumbo no organismo é precocemente revelada pelos sinais decorrentes da alteração na síntese do heme, causado pela inibição de algumas enzimas utilizadas na síntese da hemoglobina, devido a ligação do metal à enzima ácido aminolevulínico desidratase (ALA-D), causando o acúmulo do ácido delta aminolevulínico (ALA) no sangue e na urina.
Deste modo, a determinação da concentração do ácido delta aminolevulínico urinário (ALA-U) tem sido proposta para o monitoramento da exposição ocupacional ao chumbo, paralelamente aos níveis do metal no sangue (Pb-S).


Material


Urina - Amostra Isolada


Instruções


Preparo - - Colher urina após retenção urinária de 4 horas.

- Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o 1º jato de urina, coletar o jato médio em frasco protegido da luz (âmbar).

- O material deve ser colhido preferencialmente no laboratório. Sendo a coleta feita em casa, trazer o material ao laboratório no prazo máximo de 1 hora.

- O horário de coleta não é crítico desde que o trabalhador esteja em trabalho contínuo sem afastamento maior que 4 dias.

- Informar se a urina é de início ou final de jornada.

- Mulheres não podem fazer uso de creme e/ou óvulo vaginal nas 48 horas que antecedem o exame e, idealmente, devem colher a amostra fora do período da menstruação.


1 |  2 |  3 |  4 |  5 |  6 |  7 |  8 |  9 |  10 |  11 |  12 |  13 |  14 |  15 |  16 |  17 |  1 Página de 17
VOLTAR